«

»

A Confraria define apoio a Paulo Nobre para as eleições para a Presidência do Palmeiras

A Confraria Palestrina é, fundamentalmente, um grupo de palmeirenses apaixonados que se organizou para tentar mudar o jeito de fazer política no Palmeiras. Não é tarefa fácil, como bem sabem aqueles que acompanham nosso trabalho.

O Palmeiras, por sua vez, aproxima-se de um momento histórico: em um importantíssimo avanço da gestão democrática do clube, os sócios serão chamados a escolher sua Diretoria Executiva para o próximo biênio.

Para auxiliar nesta tarefa e integrar este importante processo, a Confraria Palestrina encaminhou aos candidatos ao cargo de Presidente do clube um questionário que foi formulado com o auxílio de palmeirenses de todo o mundo – as perguntas referem-se, em síntese, às propostas dos candidatos para a sua eventual gestão. As respostas, gentilmente encaminhadas por todos os indagados, permitem àqueles que se interessam pelo clube comparar as idéias de cada um. Nosso grupo, ainda, reuniu-se com todos estes pré-candidatos para debate pessoal, sempre tendo em vista colher informações para a decisão sobre o posicionamento político para as eleições que se aproximam.

Pois bem. Adotadas todas estas providências, a Confraria Palestrina reuniu-se na noite do último dia 07 de outubro para deliberar sobre duas importantes questões: primeiro, se iria apoiar formalmente algum dos pré-candidatos a Presidente do clube; em segundo, em caso positivo, qual seria o candidato a ser apoiado.

Os debates foram, como sempre ocorre no grupo, extremamente democráticos e transparentes. Tendo por cenário a atual situação administrativa, financeira e esportiva do Palmeiras, foram cotejados os históricos dos candidatos e as propostas que veiculam. Cada confrade pode expor seu ponto de vista e suas posições foram ponderadas nas finais deliberações do grupo.

O primeiro item debatido foi a própria formalização de apoio a algum dos candidatos. Decidiu-se que seria incoerente com a postura política do grupo deixar de apoiar um nome para as eleições. A Confraria Palestrina, desde o início, pautou-se por uma atitude construtiva e propositiva – por mais turbulento que seja o atual cenário político do clube, a omissão do grupo seria absolutamente discrepante de sua atuação. Com esta decisão, passou-se à discussão sobre qual nome apoiar no pleito que se aproxima.

Como já exposto, a Confraria Palestrina procurou reunir a maior quantidade de informações possível para tomar esta decisão. Os três nomes em discussão foram identificados como verdadeiros palmeirenses, que divergem em sua visão de como o Palmeiras deve caminhar para recuperar seu posto entre os maiores clubes do mundo. A partir desta premissa, foi possível identificar que o grupo considera o projeto apresentado pelo candidato Wladimir Pescarmona não atende ao ideário promovido pela Confraria Palestrina – bandeiras como profissionalização, inovação técnica, transparência não foram perfeitamente identificadas nas palavras ou propostas do candidato. Há, ainda, com a indicação do ex-Presidente Beluzzo como Vice-Presidente da chapa para a Diretoria Executiva, a sinalização de que talvez a tão duramente reconquistada organização financeira e orçamentária do clube não seja considerada primordial. A Confraria Palestrina entende que qualquer projeto de futuro do clube tem que considerar o Palmeiras vencedor e forte a médio e longo prazo, e que devem ser evitadas propostas e soluções que acabem por militar contra este postulado.

Quanto ao candidato Granieri, o grupo entendeu que sua eleição a Presidente pode ser ainda um pouco prematura. O surgimento de uma terceira via de oposição no clube é de todo desejável, e o perfil do candidato indica forte tendência de aglutinar os grupos e dirimir divergências entre adversários. Pesou contra o apoio ao candidato, contudo, o fato de sua candidatura ter surgido em momento em que o cenário político já estava razoavelmente definido, não havendo condições de avaliar, objetivamente, se caso fosse vitorioso o novo Presidente conseguiria reunir uma equipe de trabalho que permitisse administrar o clube atendendo às urgências que se apresentam, tanto na parte financeira, como na social e na esportiva. A candidatura Granieri, desta forma, foi entendida como ainda dependente de amadurecimento, podendo eventualmente ser apoiada em futuros pleitos a realizar no clube.

No tocante à candidatura do atual Presidente Paulo Nobre, foram destaques na discussão gestão do futebol do clube, reconhecidamente não condizente com a grandeza do clube. Foi debatida, ainda, a ineficiência da gestão da comunicação do clube, e os inadequados resultados do projeto de profissionalização da Administração. A par destas constatações, ponderou-se que a situação encontrada no clube quando da sua assunção ao cargo era absolutamente precária. Seu trabalho de apagar incêndios e atender assuntos urgentes praticamente tomou seu primeiro ano de gestão, não permitindo organizar adequadamente o clube para a retomada de sua senda histórica – atesta esta condição o fato do orçamento do ano de 2013, que deveria organizar as receitas e despesas naquele exercício, ter sido aprovado somente em outubro daquele ano. Foi lembrada, ainda, a pendência jurídica com a empresa WTorre, e o incrível atraso na entrega da Arena, que prejudicou muito o clube, uma vez que o impediu de auferir importantes receitas.

O resultado do debate foi a constatação que no ano que vem o Palmeiras finalmente poderá contar com as receitas do exercício que virá, e com o dinheiro da exploração da Arena. Mais: superado o momento de maior crise (que, inclusive, levou o Presidente a emprestar mais de 100 milhões de reais ao clube), já é possível vislumbrar uma administração que possa efetivamente implantar as melhorias e tomar as decisões que o Palmeiras necessita para seu renascimento.

O candidato Paulo Nobre, tanto pessoalmente quanto nas respostas aos questionamentos encaminhados pela Confraria Palestrina, se comprometeu a finalmente cumprir integralmente suas propostas para a administração do clube. Apoiá-lo é um ato de confiança, pautado na crença que o duríssimo aprendizado dos dois primeiros anos de gestão não foi em vão, e que uma eventual reeleição será a oportunidade de ser finalmente implantado no Palmeiras o profissionalismo e a governança moderna que o clube precisa desesperadamente.

Neste espírito, decidiu finalmente a Confraria Palestrina por apoiar o candidato Paulo Nobre nas próximas eleições para a Presidência do Palmeiras. Seus conselheiros nele depositarão seu voto na deliberação do filtro no Conselho Deliberativo, e o grupo político indicará a seus apoiadores que entende ser a sua candidatura a melhor opção para o pleito presidencial no clube.

Cumpre, finalmente, reiterar que nosso grupo político apóia propostas e idéias, independentemente das pessoas. As promessas realizadas pelo candidato Paulo Nobre dele serão firmemente cobradas caso eleito. Da mesma forma, caso haja a eleição de outro candidato, a Confraria Palestrina apoiará todas as ações que entender compatíveis com seu ideário de democracia e transparência na gestão do clube – o Palmeiras forte e vencedor é de interesse de todos, não importando qual seja a gestão.

Vamos, então, às urnas. Boa sorte, Palmeiras.

Link permanente para este artigo: http://confrariapalestrina.com.br/a-confraria-define-apoio-a-paulo-nobre-para-as-eleicoes-para-a-presidencia-do-palmeiras/

  • erivaldo dos santos

    Vcs vão apoiar uma diretoria que luta p evitar o rebaixamento? não venham dizer que isso ocorre pq primam pelo financeiro, pq há times menores que estão acima de nós e com salários em dia.Oportunismo é o nome e falta de ambição.

  • Claudio Longo

    Vergonha desta Chapa, que quer manter uma gestão fadada ao fracasso, realmente a mentalidade é pequena!

  • Valmir Sep

    Caraca Zé. Vc apoia Paulo Nobre? Só digo uma coisa. Nem vc, nós, ou seu filho verá o 2º Centenário. Só o fato desse LACAIO DO MUSTAFÁ ter destruído esse momento único, já é motivo para querer vê-lo longe da SEP. Realmente me custa crer que alguém que se diga “palmeirense” e seja ainda Conselheiro, possa votar na continuidade de Mustafá no Poder, porque Nobre não tem moral e decência para romper com seu PAI e MENTOR. Que isso fique em sua consciência, felizmente não são vcs que irão decidir a votação, mas não irei esquecer o que vcs estão fazendo.