«

»

Coluna do Pajanian – Apresentando: os Stakeholders

De hoje, primeiro, a 19 de outubro de 2013, o nosso querido Palmeiras fará seis jogos fora de “casa”. Problema para quem gosta de acompanhar jogos no estádio, independentemente da qualidade do produto que é entregue a nós consumidores do esporte (mas esse é um assunto para outra oportunidade), para quem curte vibrar com o time, gritar, torcer, rir, sofrer, enfim, se emocionar. Serão seis jogos que, certamente, nos levarão de volta ao nosso verdadeiro lugar, de onde, se os deuses da boa gestão permitirem, nunca mais sairemos. Ou seja, nosso tão esperado retorno à Série A acontecerá com o time jogando fora de “casa”. E o que é pior, há uma boa chance de conquistarmos inclusive o título desse campeonato nessa condição. E por que este momento tão importante para o clube vai acontecer longe de sua casa? Por causa de um grupo, ou, na verdade, parte de um grupo maior denominado Stakeholders.

As organizações vêm desde a década de 1980, quando o filósofo e Professor da Universidade da Virginia – EUA, R. Edward Freeman, introduziu o conceito de stakeholder como sendo: “qualquer grupo ou indivíduo que pode afetar ou ser afetado pelo alcance dos propósitos de uma firma”, tentando estabelecer formas de fazer uma gestão adequada desses grupos. No esporte pouco se falou no mundo e ainda menos no Brasil sobre esse assunto. E, você amigo leitor, deve estar se perguntando: qual a importância desse assunto para as organizações do esporte? A resposta é bastante simples e tem relação direta com os últimos acontecimentos envolvendo o Palmeiras e sua torcida… a organizada, claro! Somente a última confusão envolvendo as duas maiores torcidas organizadas do Palmeiras rendeu ao clube uma multa, a perda de mandos de jogos (que por sua vez acarreta perda de receita), custos para mandar jogos em outras praças, além dos custos relacionados à logística de levar time e comissão técnica para outras cidades. Ou seja: além do prejuízo imaterial (quanto custa estar longe de casa no momento do renascimento?), um grande prejuízo financeiro!

Olhar para esses grupos de interesse com mais atenção e pensar em formas de fazer a gestão adequada de seus stakeholders, pode ajudar o clube a evitar ou minimizar os problemas associados a essa relação, e também a trazer benefícios. Temos visto vários exemplos do problema que pode trazer uma má gestão desses grupos, sobretudo neste ano. Esta relação, contudo, acontece em mão dupla e, portanto, cuidar dela também significa pensar no impacto que algumas decisões podem produzir sobre os vários stakeholders. Só assim o clube pode tirar o melhor proveito das relações com todos os seus grupos de interesse – todos os torcedores, não só as torcidas organizadas – e fazer com que atuem sempre positivamente em relação ao nosso querido Palmeiras.

Link permanente para este artigo: http://confrariapalestrina.com.br/coluna-do-pajanian-apresentando-os-stakeholders/